Angelim-pedra

Nome científico: Hymenolobium petraeum Ducke, Leguminosae.

Observação: nesta ficha são apresentadas informações para a espécie H. petraeum, no entanto existem outras espécies de Hymenolobium, como H. complicatum Ducke, H. elatum Ducke, H. excelsum Ducke, H. heterocarpum Ducke, H modestum Ducke, que são comercializadas no Brasil como angelim-pedra.

Outros nomes populares: angelim, angelim-amarelo, angelim-da-mata, angelim-do-pará, angelim-macho, mirarema.

Nomes internacionais: angelim-pedra (Espanha; Estados Unidos; França; Grã Bretanha; Itália), erejoerde, lialiadan koleroe, saandoe (Suriname), sapupira amarela (ATIBT,1982), St. Martin Gris (Guiana Francesa).

Ocorrência:
• Brasil: Amazônia, Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia.
• Outros países: Guiana, Guiana Francesa, Suriname.

Angelim Pedra Tangencial 150x150 Angelim pedra madeireira madeira   Angelim Pedra Radial 150x150 Angelim pedra madeireira madeira   Angelim Pedra Fotomacro 150x133 Angelim pedra madeireira madeira

 
CARACTERÍSTICAS GERAIS

Características sensoriais: cerne e alburno distintos pela cor, cerne castanho-avermelhado claro ou escuro, com manchas castanhas mais escuras devido à exudação de óleo-resina, alburno castanho-pálido; brilho ausente; cheiro e gosto imperceptíveis; densidade média; dura ao corte; grã direita a revessa; textura grossa, aspecto fibroso.

Descrição anatômica macroscópica:
• Parênquima axial: visível a olho nu, paratraqueal aliforme, confluente em trechos longos tendendo a formar faixas largas.
• Raios: visíveis a olho nu no topo e na face tangencial na qual sua estratificação (2 a 3 por mm) é regular; finos.
• Vasos: visíveis a olho nu, médios a grandes; poucos; porosidade difusa; solitários, múltiplos, às vezes em cadeias radiais; vazios ou com substância esbranquiçada.
• Camadas de crescimento: distintas, individualizadas por zonas fibrosas tangenciais mais escuras.

Fonte: (IPT,1983)
Observação: informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.

DURABILIDADE / TRATAMENTO

Durabilidade natural: Madeira durável a muito durável em relação a fungos apodrecedores; moderadamente resistente a brocas marinhas e resistente a cupins-de-madeira-seca. (IBAMA,1997a; SUDAM/IPT,1981)

Tratabilidade: o cerne é difícil de preservar e o alburno é muito fácil de preservar, em processo sob pressão, tanto com creosoto (oleossolúvel) como CCA (hidrossolúvel). (IBAMA,1997a)

Observação: informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.

CARACTERÍSTICAS DE PROCESSAMENTO

Trabalhabilidade: a madeira de angelim-pedra é fácil de ser trabalhada. Acabamento de regular a bom na plaina, torno e broca. (IBAMA,1997a) É moderadamente fácil de serrar e aplainar; é fácil de pregar, parafusar e permite acabamento satisfatório. (INPA,1991)

Secagem: a secagem é muito rápida em estufa, apresentando pequena tendência a torcimento e arqueamento. (IBAMA,1997a) A secagem ao ar livre é moderadamente difícil. (Jankowsky,1990)

Programas de secagem podem ser obtidos em (IBAMA,1997a; Jankowsky,1990)
Observação: informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.

PROPRIEDADES FÍSICAS

Densidade de massa (r):
• Aparente a 12% de umidade (rap, 12): 710 kg/m³
• Madeira verde (rverde): 1190 kg/m³
• Básica (rbásica): 590 kg/m³

Contração:
• Radial: 4,1 %
• Tangencial: 6,3 %
• Volumétrica: 10,1 %

Resultados obtidos de acordo com a Norma COPANT.
Fonte: (IBAMA,1997a)
Observação: informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.
Para comparar esses valores de contração (CCOPANT) com aqueles obtidos pela Norma ABNT (CABNT) é necessário transformá-los usando a equação: CABNT = CCOPANT / (1 – CCOPANT / 100).

PROPRIEDADES MECÂNICAS

Flexão:
• Resistência (fM):
Madeira verde: 70,6 MPa
Madeira a 12% de umidade: 109,3 MPa
• Módulo de elasticidade – Madeira verde: 9414 MPa
• Módulo de elasticidade – Madeira a 12%: 11572 MPa

Resultados obtidos de acordo com a Norma COPANT.
Fonte:
Observação: Informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.

Compressão paralela às fibras:
• Resistência (fc0):
Madeira verde: 38,0 MPa
Madeira a 12% de umidade: 52,3 MPa

Compressão perpendicular às fibras:
• Resistência (fc0):
Madeira verde: 6,4 MPa
Madeira a 12% de umidade: 11,3 MPa

Resultados obtidos de acordo com a Norma COPANT.
Fonte:  (IBAMA,1997a)
Observação: informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.

Outras propriedades:
• Resistência ao impacto na flexão – Madeira a 15% (choque): 22,6
Trabalho absorvido: 22,6

Resultados obtidos de acordo com a Norma ABNT MB26/53 (NBR 6230/85).
Fonte: (IPT,1989b)
Observação: Informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.
• Cisalhamento – Madeira verde: 10,0 MPa
• Cisalhamento – Madeira a 12%: 12,3 MPa
• Dureza janka paralela – Madeira verde: 5325 N
• Dureza janka paralela – Madeira a 12%: 7659 N
• Dureza janka transversal – Madeira verde: 5050 N
• Dureza janka transversal – Madeira a 12%: 5786 N
• Tração normal às fibras – Madeira verde: 4,2 MPa
• Tração normal às fibras – Madeira a 12%: 3,8 MPa

Resultados obtidos de acordo com a Norma COPANT.
Fonte: (IBAMA,1997a)
Observação: Informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.

• Fendilhamento – Madeira verde: 1,1 MPa

Resultados obtidos de acordo com a Norma ABNT MB26/53 (NBR 6230/85).
Fonte: (IPT,1989b)
Observação: Informações para a espécie Hymenolobium petraeum Ducke.

USOS

Construção civil:
• Pesada interna:
vigas
caibros
• Leve em esquadrias:
portas
venezianas
caixilhos
• Leve interna, decorativa:
forros
lambris
• Leve interna, estrutural:
partes secundárias de estruturas
ripas
• Uso temporário:
pontaletes
andaimes
fôrmas para concreto

Mobiliário:
• Utilidade geral:
móveis estândar

Outros usos:
cabos para cutelaria
lâminas decorativas

fonte: IPT